terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Quanta dor é necessária para parir o amor?


Quanta dor é necessária para parir o amor?
Quantos passos levam ao destino das almas?
Ressuscitar as flores não acordará os jardins?
As sombras dançam na escuridão do silêncio?

Perguntas vãs, perguntas órfãs , perguntas
Só a certeza do meu ofegante pulmão grita
Só a incerteza do amanhã me é intima
E não sinto o medo das horas feridas de lapsos.

Querer guardar um rio num copo é quebrar o sonho
Querer o não querer é a utopia da liberdade
Querer semear distâncias é a insanidade do deserto
Querer-te é um tumulo sem cruz nem flores.

Então eu te mostro meu lado sujo de sangue e espinhos
Meu lado vil de ternuras oníricas e ambições de esperanças
Mostro-te o meu mais pueril ato infame de ser feliz
E fico a esperar que os navios sejam brumas no horizonte.

Flavio Pettinichi- 09- 12- 2011
Fotografia: Flavio Pettinichi- Modelo : A

2 comentários:

Anna Amorim disse...

Flavio,

"Querer-te é um tumulo sem cruz nem flores.

Então eu te mostro meu lado sujo de sangue e espinhos"

Palavras que desafiam o que não pode ser colocado em palavras.
Belissimo!!!

Beijos e um 2012 pleno de inspirações realizadas!

Anna Amorim

Anna Amorim disse...

Flavio,

"Querer-te é um tumulo sem cruz nem flores.

Então eu te mostro meu lado sujo de sangue e espinhos"

Palavras que desafiam o que não pode ser colocado em palavras.
Belissimo!!!

Beijos e um 2012 pleno de inspirações realizadas!

Anna Amorim