sexta-feira, 3 de dezembro de 2010


O que tem para mostrar a fotografia Contemporânea?

Série: Vestígios Urbanos : flavio Pettinichi - 2010

Fóssil –
Fotografia Digital – Canon EOS – Rebel XS- Tratamento de contraste no Corel Photopaint.

Harry Morey Callahan

Fotógrafo norte-americano nascido em 1912, em Detroit, nos EUA, e falecido a 15 Março de 1999, em Atlanta, também nos EUA.
Em 1934 estuda Engenharia Química, dedicando-se depois a Economia. Depois de concluir a educação obrigatória, vai trabalhar para a Chrysler Motor Parts Corporation. Em 1936 casa com Eleanor Knapp, que viria a servir de inspiração para muitos dos seus trabalhos. É também por esta altura que começa a desenvolver um grande interesse pela fotografia, principalmente devido ao contacto com o clube de fotografia no seu local de trabalho. Dois anos depois compra a sua primeira máquina fotográfica, uma Rolleicord 120. Depois de frequentar um workshop em Detroit, leccionado pelo fotógrafo paisagístico Ansel Adams, começa a praticar mais seriamente fotografia.
Callahan era essencialmente um autodidacta. Um marco decisivo na sua carreira foi a viagem a Nova Iorque, em 1945, em que contactou pessoalmente com muitos fotógrafos de prestígio, como Berenice Abbott, Minor White e Paul Strand.
No final dos anos quarenta, conhece László Moholy-Nagy, director do Instituto de Design de Chicago, inicia a sua longa amizade com Edward Steichen, director do Departamento de Fotografia do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque. Callahan acabaria por participar em diversas exposições no Museu de Arte Moderna durante os anos 40 e 50, dando assim a conhecer o seu trabalho ao público.
Em 1946, muda-se para Chicago, para leccionar no Instituto de Design. É durante esta época que produz as suas fotografias mais famosas. Callahan criara um estilo próprio, procurando expressar a sua vida e as suas observações através da fotografia. Não é, por isso, de surpreender que o que mais prevalece no trabalho de Callahan são os retratos da sua mulher Eleanor e da sua filha Barbara. São fotografias que apresentam, sobre diversos ângulos, Eleanor nas ruas de Chicago (Eleanor, Chicago, 1953) e em sua casa (Eleanor, Chicago, 1948), e Eleanor e Barbara no dia-a-dia.
Em 1961, deixa Chicago para assumir a presidência do Departamento de Fotografia do Instituto de Design de Rhode Island, cargo que desempenharia até 1973.
Callahan foi um professor influente e um exemplo para muitos alunos que mais tarde vieram a ser fotógrafos de renome, como Yasuhiro Ishimoto e Kenneth Josephson. As experiências e as inovações que introduziu influenciaram decisivamente o programa do Instituto de Design.
Na década de sessenta, as famosas séries de Callahan, com close ups de mulheres anónimas de Chicago a irem às compras, deram início a uma tendência fotográfica que procurava captar as pessoas comuns, celebrando a sua individualidade.
Apesar de Callahan ter experimentado o uso da cor no início da sua carreira, os seus trabalhos das décadas de cinquenta e sessenta são, na sua maioria, a preto e branco. Só voltaria a utilizar a cor em 1977, nos seus estudos paisagísticos e arquitecturais.
Callahan continuou com as suas explorações na fotografia durante toda a sua carreira, embora nos últimos anos de vida optasse por voltar a centrar-se nas paisagens e nas cenas de rua.
Os seus trabalhos foram publicados em revistas, como Life, Newsweek, New York Times, U.S. Camera, Aperture, e Harper's Bazaar, e expostos em inúmeros museus um pouco por todo o Mundo.

3 comentários:

Sandra Botelho disse...

Interessante amigo. Bom aprender sempre. Bjos achocolatados e obrigado pelo carinho em meu blog.

Sandra Botelho disse...

Deixo beijos...Achocolatados de ternura e desejo-te dias de luz!

Janaina Cruz disse...

Fotografia é a poesia que criamos dentro de nossas retinas e ao congelarmos o tempo poderemos leva-la a outros olhares...
Eu sou louca por fotografia.
Gostei muito do teu blog, sigo-te...